A Descrição do Trabalho

Quando eu digo: "Eu sou uma dona-de-casa", as pessoas dizem:"Oh, Então você não trabalha?"

O comentário veio de uma mulher em um jantar de negócios que eu e o meu marido participamos. Quando eu lhe disse que era uma "dona-de-casa", ela respondeu: "Ah, então você não trabalha!" Eu queria gritar, "você está a brincar, certo?" Em vez disso, eu sorri e respondi: "mais do que você jamais poderia imaginar."

Então eu me virei para que pudesse revirar os meus olhos. Eu tentei não deixar o seu comentário me incomodar, mas doeu. A visão de que uma mulher que fica em casa faz "nada" tem sobrecarregado as mulheres há décadas. Isso deixa a mãe que escolheu ficar em casa a criar os seus filhos e um sentimento de família, insegura na sua escolha.

A maioria das pessoas não fazem ideia de como é duro o trabalho de uma mãe que "está em casa". Este trabalho requer várias competências, como por exemplo de uma professora, aconselhadora, empregada doméstica, cozinheira, enfermeira, organizadora de eventos, analista financeira e motorista.
  
Se uma mãe que "fica em casa" fosse paga por todas estas tarefas, havia muitas mulheres que ficariam na fila para obter o cargo.

No entanto, em vez disso, a sociedade tem minimizado a sua importância. 




in "All Mother are Working Mother" - Laura Sabin Riley




O mais importante - Barbara Bush

Barbara Bush discursou na cerimónia de formatura da turma de 1990 do Wellesley College, uma faculdade notoriamente feminista. Muitas estudantes protestaram sobre a escolha da oradora por parte da escola. Elas não a julgavam digna de tal honra, pois escolhera a maternidade e as tarefas domésticas como vocação, em vez de buscar uma carreira fora do lar. Apesar das objecções, a sra.Bush decidiu beneficiar-se do que considerou um momento apropriado para a aprendizagem:

"Cultivem as relações humanas: suas relações com a família e com os amigos. Por vários anos, vocês se convenceram da importância da dedicação e do trabalho árduo para a carreira, e isso é verdade, claro. Porém, tão importante quanto suas obrigações como as médicas, advogadas ou líderes empresariais que um dia vocês serão, é ser, em primeiro lugar, um ser humano, e aquelas relações humanas - com cônjuges, com filhos, com amigos - são os investimentos mais importantes que vocês podem fazer.
No fim da vida, vocês nunca irão se lamentar por não ter passado em mais um teste, por não ter ganho mais um veredicto ou não ter fechado mais um negócio. Vocês lamentarão o tempo não gasto com um marido, um filho, um amigo ou com os pais (...). Qualquer que seja a era, qualquer que seja o tempo, uma coisa nunca mudará: pais e mães, se vocês possuem filhos, eles devem vir em primeiro lugar.
Vocês precisam ler para seus filhos, abraçar seus filhos e amar seus filhos. O sucesso de vocês como família (...), nosso sucesso como sociedade não depende do que acontece na Casa Branca, mas do que acontece dentro de sua casa."

in "Filhos: da sobrevivência ao sucesso", Charles R. Swindoll